WNBA

Campeão da WNBA Loyd pronto para ser coroado um pioneiro do Mundial

As comemorações do recente título da WNBA em Seattle mal terminaram e, no entanto, Loyd já está se aproximando de outra linha importante para seu currículo e uma nota significativa na história do basquete.

TENERIFE (Copa do Mundo de Basquete Feminino da FIBA ​​de 2018) – Jewell Loyd ainda está no topo do campeonato da WNBA e logo poderá se tornar um pioneiro da Copa do Mundo de Basquete Feminino da FIBA.

As comemorações do recente título da WNBA em Seattle mal terminaram e, no entanto, Loyd já está se aproximando de outra linha importante para seu currículo e uma nota significativa na história do basquete.

Em 2014, Loyd ergueu a Copa do Mundo FIBA ​​3X3 em Moscou e isso significa que agora ela pode se tornar a primeira jogadora a completar um Mundial – se os EUA conseguirem subir ao pódio em Tenerife no próximo final de semana.

“Eu realmente não tinha pensado nisso antes, mas seria muito legal ter isso contra o meu nome e para os EUA também – seria super especial”, disse Loyd, que rapidamente reforçou seu amor por 3×3.

“É um tipo muito diferente de jogo e eu cresci jogando quando era criança, porque é onde você começa a jogar – nos parques.

“É tão emocionante porque os fãs estão muito envolvidos e é um jogo muito mais rápido. O 3×3 realmente expõe todos esses elementos um-a-um no jogo e é emocionante assistir e ter aquele relógio de disparo rápido ”, acrescentou ela.

Talvez Loyd possa ser capaz de competir em ambos os eventos quando o Tokyo 2020 chegar e, certamente, a adição de 3×3 aos Jogos trouxe um grande impulso da estrela da WNBA.

No entanto, você não pode culpar Loyd por ter todos os olhos na Copa do Mundo de Basquete Feminino da FIBA, pois ela teve que mostrar muita paciência para finalmente receber o prêmio em um torneio – oito anos depois de jogar pelos EUA no Mundial Sub17. .

“É realmente especial, considerando a jornada que tenho feito com o basquete americano e indo a todos os campos diferentes e depois sendo convidado”, sorriu Loyd.

“A única coisa que eu pude controlar foi o meu esforço e eu continuei colocando o trabalho. Eu tive que confiar nesse processo e me colocar em uma boa posição para fazer o time – e isso valeu a pena.

“Você sempre tem essa pequena dúvida, porque há tantos bons jogadores e todo mundo tem uma chance e por isso estou feliz por ser selecionado.”

Loyd é uma empresa familiar dentro do vestiário dos EUA, já que ela vai jogar com os colegas campeões da WNBA e os colegas de Storm, Breanna Stewart e Sue Bird.

Ela ganhou o título de U17 em 2010 ao lado de Stewart, enquanto a estrela veterana Bird é alguém que ela continua a admirar – assim como outra lenda em Diana Taurasi.

“Eles são definitivamente lendas do jogo e também fora da quadra”, enfatizou Loyd.

“Você só tem que olhar e ver como eles cuidam dos corpos e como eles são super profissionais – então é claro que todos os jogadores mais jovens olham para eles.

“Eu sou mimada quando eu também saio com Sue durante a temporada de clubes e ela é uma líder fenomenal e eu nunca encontrei ninguém com esse nível de conhecimento do jogo.

“É uma honra ser companheiros de equipe”, concluiu.

E, com Bird querendo se tornar o primeiro jogador na história a conquistar cinco medalhas na Copa do Mundo de Basquete Feminino da FIBA, Stewart tendo conquistado os prêmios MVP da WNBA e MVP de Finals, pode se tornar um calendário para Loyd e sua Seattle. companheiros de equipe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close